Giovedì, Settembre 18, 2014

(Fonte: calmadoceano)

ceciliando:

               Só ele enxergou minha fraqueza e fez dela fonte de força. Só ele faz um carinho com a ponta dos dedos capaz de acender em mim chama de beijo de cinema. E com uma única mensagem, me sinto completa. Porque para ele não bastava ser o dono de todas as sensações boas que a vida é capaz de me dar. Não bastava conseguir apaziguar meu mau humor e fazer todos os meus medos de menina-mulher serem expostos sem medo algum para que ele os enxote. Não, ele ainda precisava me completar. Me faz sentir vontade de pedir para que ele, por favor, não deixe o mundo tão colorido assim porque senão jamais voltarei a me acostumar com o cinza quando ele for embora. Ele diz que nunca vai embora. E permanece. Nos meus dias, no meu peito, na minha vida. Ele visita meus sonhos todas as noites, ri do meu humor assassino no café da manhã e diz que fico linda de batom vermelho - me fazendo achar que realmente fico. Com ele descobri que ser eu mesma dói menos do que fingir que não choro assistindo filmes antigos e não penso todas as catástrofes do mundo enquanto tomo banho.
              E por isso - por ele - escrevo mil textos de amor para tentar diminuir todo esse sentimento, apenas para tentar deixar de pensar nele um pouquinho que seja e poder algumas horas como alguém que não olha para o relógio de cinco em cinco minutos me perguntando se falta muito para ele chegar. Por ele escrevo clichê e não me sinto diminuída ou boba, porque o amor é clichê mesmo e nada mais importa quando se trata da ansiedade do meu peito quando ouço a campainha tocando e vejo quem é do outro lado da porta. Eu ouço músicas melosas, me imagino em livros de romance e dou risada da menininha exagerada do filme triste por não saber como é um amor como o meu. E nada mais nessa ou em outras vidas tem relevância além dele. Vivo assim - vivemos assim -, como diria Caio Fernando, cheios de nós, com esse nosso amor repleto de erros que nos fazem certos.Gabriela Santarosa 

ceciliando:

               Só ele enxergou minha fraqueza e fez dela fonte de força. Só ele faz um carinho com a ponta dos dedos capaz de acender em mim chama de beijo de cinema. E com uma única mensagem, me sinto completa. Porque para ele não bastava ser o dono de todas as sensações boas que a vida é capaz de me dar. Não bastava conseguir apaziguar meu mau humor e fazer todos os meus medos de menina-mulher serem expostos sem medo algum para que ele os enxote. Não, ele ainda precisava me completar. Me faz sentir vontade de pedir para que ele, por favor, não deixe o mundo tão colorido assim porque senão jamais voltarei a me acostumar com o cinza quando ele for embora. Ele diz que nunca vai embora. E permanece. Nos meus dias, no meu peito, na minha vida. Ele visita meus sonhos todas as noites, ri do meu humor assassino no café da manhã e diz que fico linda de batom vermelho - me fazendo achar que realmente fico. Com ele descobri que ser eu mesma dói menos do que fingir que não choro assistindo filmes antigos e não penso todas as catástrofes do mundo enquanto tomo banho.


              E por isso - por ele - escrevo mil textos de amor para tentar diminuir todo esse sentimento, apenas para tentar deixar de pensar nele um pouquinho que seja e poder algumas horas como alguém que não olha para o relógio de cinco em cinco minutos me perguntando se falta muito para ele chegar. Por ele escrevo clichê e não me sinto diminuída ou boba, porque o amor é clichê mesmo e nada mais importa quando se trata da ansiedade do meu peito quando ouço a campainha tocando e vejo quem é do outro lado da porta. Eu ouço músicas melosas, me imagino em livros de romance e dou risada da menininha exagerada do filme triste por não saber como é um amor como o meu. E nada mais nessa ou em outras vidas tem relevância além dele. Vivo assim - vivemos assim -, como diria Caio Fernando, cheios de nós, com esse nosso amor repleto de erros que nos fazem certos.
Gabriela Santarosa 

Foi então que compreendi, que é minha função escolher que tipo de dia vou ter hoje. Posso reclamar porque está chovendo ou agradecer às águas por lavarem a poluição. Posso ficar triste por não ter dinheiro ou me sentir encorajado para administrar minhas finanças, evitando o desperdício. Posso reclamar sobre minha saúde ou dar graças por estar vivo. Posso me queixar dos meus pais por não terem me dado tudo o que eu queria ou posso ser grato por ter nascido. Posso reclamar por ter que ir trabalhar ou agradecer por ter trabalho. Posso sentir tédio com o trabalho doméstico ou agradecer a Deus. Posso lamentar decepções com amigos ou me entusiasmar com a possibilidade de fazer novas amizades. Se as coisas não saíram como planejei posso ficar feliz por ter hoje para recomeçar. O dia está na minha frente esperando para ser o que eu quiser. E aqui estou eu, o escultor que pode dar forma. Tudo depende só de mim. Charles Chaplin  (via aluguefelicidade)

(Fonte: naodigite)

De que vale no mundo ser-se inteligente, ser-se artista, ser-se alguém, quando a felicidade é tão simples! Ela existe mais nos seres claros, simples, compreensíveis e por isso a tua noiva de dantes, vale talvez bem mais que a tua noiva de agora, apesar dos versos e de tudo o mais. Ela não seria exigente, eu sou-o muitíssimo. Preciso de toda a vida, de toda a alma, de todos os pensamentos do homem que me tiver. Preciso que ele viva mais da minha vida que da vida dele. Preciso que ele me compreenda, que me adivinhe. A não ser assim, sou criatura para esquecer com a maior das friezas, das crueldades. Eu tenho já feito sofrer tanto! Tenho sido tão má! Tenho feito mal sem me importar porque quando não gosto, sou como as estátuas que são de mármore e não sentem. Florbela Espanca, Correspondência (1920)

(Fonte: paginaselirios)

(Fonte: sentireis)

Não se permita entristecer, por nada, nem ninguém. Caio Fernando Abreu.   (via inovei)

(Fonte: viversentiramar)

(Fonte: pizzes)

(Fonte: decifro)

Às vezes é preciso dormir, dormir muito. Não pra fugir, mas pra descansar a alma dos sentimentos. Quem nasceu com a sensibilidade exacerbada sabe quão difícil é engolir a vida. Porque tudo, absolutamente tudo devora a gente. Inteira. Marla de Queiroz. (via flor-de-jade)

(Fonte: thayyyyyyyyyyyy)

(Fonte: undercall)

Mercoledì, Aprile 9, 2014
so-personal:

everything personal♡

so-personal:

everything personal

(Fonte: flightles-s-bird)

Venerdì, Febbraio 21, 2014

(Fonte: effingos)

Giovedì, Febbraio 20, 2014

(Fonte: etiopy)